Uma imagem do telescópio espacial Hubble da NASA e da Agência Espacial Europeia mostra o aglomerado de galáxias SDSS J1038 + 4849, que parecem estar a sorrir. Podem-se distinguir as formas que representam os olhos cor de laranja e o ponto branco que representa o nariz.

No caso desta "cara feliz", os dois olhos são galáxias muito brilhantes e as linhas do sorriso são, na verdade, arcos causados por um efeito conhecido como lentes gravitacionais fortes.

Einstein poderia explicar este fenómeno. Isto porque os aglomerados de galáxias são as estruturas mais massivas de todo o Universo e exercem uma poderosa atração gravitacional que altera o espaço-tempo em redor destes e atuam como lentes cósmicas que podem ampliar, distorcer e dobrar a luz por detrás dos aglomerados.

Este fenómeno, que tem sido crucial para muitas das descobertas do Hubble, pode-se explicar através da teoria da relatividade de Einstein. Neste caso em particular de lente gravitacional, um anel, conhecido como o anel de Einstein, é produzido a partir deste desvio da luz, uma consequência do alinhamento exato e simétrico da fonte, lente e observador que resulta na estrutura em forma de anel que podemos ver na imagem.

Segundo a Agência Espacial Europeia, o telescópio Hubble forneceu as ferramentas necessárias para sondar estas galáxias e para modelar os seus efeitos de lente, o que permite observar cada vez mais, e como nunca foi feito, os primórdios do Universo.