Mais de metade dos animais desapareceram da Terra nos últimos 40 anos

 

A população mundial de animais vertebrados reduziu-se em 52% nas últimas 4 décadas, revela a edição deste ano do relatório bienal “Planeta Vivo”, do Fundo de Natureza Selvagem (WWF).

A investigação, que abrange os 40 anos entre 1970 e 2010, baseou-se em dados de mais de três mil espécies vertebradas.

De acordo com o documento, publicado no site do WWF, as espécies de água doce foram as mais dizimadas, sendo 76% menos do que em 1970. As espécies marítimas e terrestres se igualam nesta triste estatística, com 39% de perdas.

Em termos de territórios, a América do Sul sofreu a maior redução de biodiversidade, perdendo 83% das espécies existentes.

A região da Ásia-Pacífico perdeu 67% das suas espécies. O Norte de África, a Rússia e a Europa têm 30% menos espécies.

Segundo os autores do documento, a redução drástica da biodiversidade deve-se às taxas de industrialização, que superam a capacidade do nosso planeta de repor os seus recursos.

O WWF chama a este taxa de industrialização versus capacidade de reposição a “trilha ecológica”, defendendo que com a produção actual do planeta, precisávamos de uma Terra e meia para repor os recursos gastos.

Em contrapartida, quem cresceu foi a população humana.

Em 1970, viviam 3,7 mil milhões de pessoas no nosso planeta. Em 2010, este número se aproximava dos 7 mil milhões.

Mas segundo a RVR, peritos do mundo inteiro advertiram já no início deste ano para uma crise ecológica de escala ainda mais dramática, que abrange um período mais largo de 500 anos deste o século XVI.

in: aeiou

Contactos

© Triplex