Transformações químicas

  • Compreender os fundamentos das reações químicas, incluindo reações fotoquímicas, do ponto de vista energético e da ligação química.
  • Interpretar uma reação química como resultado de um processo em que ocorre rutura e formação de ligações químicas.
  • Interpretar a formação de ligações químicas como um processo exoenergético e a rutura como um processo endoenergético.
  • Classificar reações químicas em exotérmicas ou em endotérmicas como aquelas que, num sistema isolado, ocorrem, respetivamente, com aumento ou diminuição de temperatura.
  • Interpretar a energia da reação como o balanço energético entre a energia envolvida na rutura e na formação de ligações químicas, designá-la por variação de entalpia para transformações a pressão constante, e interpretar o seu sinal (positivo ou negativo).
  • Interpretar representações da energia envolvida numa reação química relacionando a energia dos reagentes e dos produtos e a variação de entalpia.
  • Determinar a variação de entalpia de uma reação química a partir das energias de ligação e a energia de ligação a partir da variação de entalpia e de outras energias de ligação.
  • Identificar transformações químicas desencadeadas pela luz, designando-as por reações fotoquímicas.
  • Distinguir fotodissociação de fotoionização e representar simbolicamente estes fenómenos.
  • Interpretar fenómenos de fotodissociação e fotoionização na atmosfera terrestre envolvendo O2, O3, e N2 relacionando-os com a energia da radiação envolvida e com a estabilidade destas moléculas.
  • Identificar os radicais livres como espécies muito reativas por possuírem eletrões desemparelhados.
  • Interpretar a formação e destruição do ozono estratosférico, com base na fotodissociação de O2 e de O3, por envolvimento de radiações ultravioletas UVB e UVC, concluindo que a camada de ozono atua como um filtro dessas radiações.
  • Explicar a formação dos radicais livres a partir dos clorofluorocarbonetos (CFC) tirando conclusões sobre a sua estabilidade na troposfera e efeitos sobre o ozono estratosférico. Indicar que o ozono na troposfera atua como poluente em contraste com o seu papel protetor na estratosfera.

 

Orientações e sugestões

  • A escrita de equações químicas usando fórmulas de estrutura pode ajudar a compreender o que se passa na rutura e formação de ligações durante as reações químicas.
  • Os exemplos a considerar devem incluir substâncias estudadas no subdomínio "Ligação Química", podendo ser introduzidas reações como a combustão de alcanos, a síntese do amoníaco e a decomposição da água.
  • O caso particular do ozono, que na troposfera atua como poluente enquanto na estratosfera atua como protetor, pode ser explorado nos aspetos científico, tecnológico, social e ambiental. A formação e destruição do ozono estratosférico podem ser abordadas através da questão da camada de ozono. Podem discutir-se as vantagens e desvantagens proporcionadas pelos clorofluorocarbonetos (CFC), assim como dos seus substitutos, com base em informação selecionada.
  • Também podem ser utilizadas as aplicações da fotoquímica em diferentes áreas como, por exemplo, a medicina, a arte e a produção de energia.

Contactos

© Triplex